Archive for the ‘Cultura’ Category

h1

Uma melodia de 1902 é a origem do icônico toque da Nokia

março 7, 2017

papa

As tecnologias corriqueiras que usamos todos os dias podem esconder surpresas. Esse é o caso do mais popular toque de celular do mundo, que virou característica da Nokia a partir de 1993 e ficou conhecido como “Nokia Tune”.

Nokia-tune-in-Tárregas-Gran-Vals-the-final-A-is-two-octaves-lower.

O “Nokia Tune”

Trata-se da composição “Gran Vals”, feita pelo violonista clássico e compositor Francisco Tárrega. O trecho é famoso por causa dos toque telefônico e pouco conhecido como uma obra instrumental sofisticada, que Tárrega chegou a apresentar em concertos e apresentações íntimas.

No início da música está o trecho tão famoso, mas vale muito a pena ouvir até o final.

h1

Palmanova, a cidade estrelada do Renascimento italiano

fevereiro 4, 2017
Palmanova old map

Palmanova na obra Civitates Orbis Terrarum

Os italianos conceberam os fortes em formato estrelado para inovar as estruturas de defesa medievais que já não atendiam a exigências de novas condições no século XV. Estes novos fortes italianos passaram a ser construídos de tijolos e não mais de pedras e um dos mais notáveis exemplos deles foi a Fortaleza de Palmanova, fundada em 1593 na República de Veneza. A imponente e renascentista estrela de nove lados foi um audacioso projeto de Vincenzo Scamozzi (1549-1616), sendo uma cidade fortificada simétrica com três acessos protegidos (as portas Udine, Aquileia e Cividale) e dezoito ruas que convergiam para uma área central onde originalmente foi construída uma torre, o Palácio de Provveditore. 

A concepção original de Palmanova propunha um ideal de organização social onde todos os moradores deveriam aderir a um modelo igualitário no qual todos ocupariam espaços de uma mesma dimensão e assumiriam responsabilidades coletivas, mas quase ninguém concordou com a proposta e poucos interessados apareceram dispostos a viver em Palmanova, o que preocupou o governo após custosos investimentos em construir a a cidade e proteger a região com a estrutura de defesa militar inovadora. Em 1622 a cidade passou a ser o destino de presos que eram libertados como forma de garantir a a ocupação.

img_paragrafo_palmanova

Palmanova atualmente

Napoleão Bonaparte conquistou a região veneziana e mandou aprimorar para seus interesses estratégicos a estrutura da cidade, construindo um segundo muro estrelado ao redor da cidade como obstáculo adicional para eventuais invasores.

Durante as duas Guerras Mundiais Palmanova foi utilizada como apoio na condição de instalação hospitalar, mas o forte estrelado teve ao longo de sua história relativamente pouco uso efetivamente militar, pois sofreu raros ataques, sendo sitiada apenas três vezes.

h1

Amuletos romanos em forma de pênis alados utilizados para proteção

dezembro 31, 2016

image

O misticismo era um usual meio empregado pelos antigos como forma de combater as moléstias e buscar cura e garantia de saúde. Os romanos utilizavam amuletos fálicos, conhecidos como “fascinum”, com o propósito de aumentar a energia sexual, capacidade reprodutiva e prevenir contra doenças que afetassem o desempenho sexual ou mesmo com interesses mais abrangentes de proteção contra qualquer doença. Outro uso muito comum e popular do fascinum era o de evitar o mau olhado e efeitos da inveja. Ainda na infância e adolescência os meninos já ostentavam esses símbolos com o intuito protetor, mas não era incomum que a precaução fosse empregada pelo pais mesmo quando seus filhos eram bebês.

450px-tintinnabulum_pompeii_man_napoli_inv27839

Fascinum de Pompéia

image-1

Variações galo-romanos de amuletos fascinum em bronze

h1

As pirâmides do Sudão

junho 11, 2015

01

Mais de 200 pirâmides ao longo do Nilo simplesmente não fazem parte do famoso e incrível legado egípcio, pois, na verdade, constituem acervo do Reino de Kush e que ocupava áreas do atual Sudão. Neste reino africano constituíram-se cidades e Méroe é uma das mais impressionantes. Em Méroe pequenas pirâmides estreitas e acentuadamente angulares foram construídas entre 2.700 e 2.300 anos atrás. Os elementos decorativos eram ecléticos, sofrendo influências estrangeiras oriundas do Egito, da Grécia e de Roma.

Clique nas imagens para ampliar.

h1

A artística caligrafia árabe

abril 21, 2014

734186_271390686319886_615544796_n

Proibidos de retratarem seres animados criados por Deus, o que poderia levar a alguma forma de adoração dessas imagens e/ou estatuetas, os artistas árabes-islâmicos desenvolveram a arte da caligrafia. Uma vez que a revelação da mensagem divina utilizou a palavra, ela também poderia ser utilizada para representar esses seres sem incorrer no risco do politeísmo. Vários estilos de caligrafia foram desenvolvidos ao longo dos séculos. A imagem aqui exibida, representando um leão, é do século XVI e as letras formam uma prece para o Iman Ali, primo e genro do Profeta e também o quarto califa do Islã.

Texto adaptado e imagem extraídos da revista Al Tawdih no. 1, editada pela Associação Beneficente Muçulmana do Rio Grande do Norte

h1

A evolução do hábito de fotografar mortos no século 19

abril 21, 2014

A postagem “Fotografar mortos era coisa normal no século 19” atraiu bastante interesse por causa do aspecto peculiar do costume de realizar registros fotográficos devidamente preparados e bem produzidos de cadáveres.

É verdade que registrar a morte através de imagens não era nenhuma surpresa, pois isso era feito ao longo dos séculos através da pintura e a fotografia apenas popularizou (e barateou) esta prática.

Inicialmente eram feitas fotos dos defuntos em seus caixões, mas a ideia que posteriormente mais prosperou e chamou a atenção foi a tentativa de dar à cena fúnebre um aspecto de naturalidade, até sugerindo que os mortos estavam dormindo tranquilamente ou ou ainda as cenas eram constituídas como se os cadáveres estivessem vivos (neste caso, recorriam a maquiagens e aparatos para manter os corpos firmes e até de pé). Os vivos também podiam compor as cenas, posando juntamente com os mortos em posições orientadas pelos profissionais especializados em tais registros – em determinados casos a composição ficava tão bem elaborada que chega a ser complicado diferenciar os mortos dos vivos nas fotografias.

Também chamava a atenção a grande quantidade de fotografias de crianças mortas, pois nestas situações as imagens tomavam dimensão ainda mais melancólica. A quantidade de imagens de crianças mortas se explica a partir dos altos índices de mortalidade infantil, o que criava uma demanda para esse tipo de registro e gerava lucros para os fotógrafos e suas companhias especializadas.

O auge dos registros fotográficos elaborados de mortos ocorreu durante a Era Vitoriana, mas também não era incomum já nas duas primeiras décadas do século 20. Em alguns lugares da Europa Oriental a prática permanece.

03 04 05 06 07 07-1 08
Read the rest of this entry ?

h1

A História das Olimpíadas através de seus cartazes (desde 1896)

abril 13, 2014

Além de grandes espetáculos desportivos e de todas as simbologias e significados dos Jogos Olímpicos, esta grande celebração também tem sua história narrada através dos cartazes alusivos a cada uma das edições. Aqui estão eles:

1896 - Atenas (Grécia) sediou a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna

1896 – Atenas (Grécia) sediou a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna

1900 - Paris (França)

1900 – Em Paris (França) os jogos ocorreram ao mesmo tempo da Exposição Mundial e ficaram em segundo plano.

1904 - Em St. Louis (EUA), os jogos também foram paralelos à Exposição Mundial e também ficaram numa condição secundária. Além disso, a adesão internacional às Olimpíadas foi mínima: 580 dos 620 atletas participantes eram norte-americanos.

1904 – Em St. Louis (EUA), os jogos também foram paralelos à Exposição Mundial e também ficaram numa condição secundária. Além disso, a adesão internacional às Olimpíadas foi mínima: 580 dos 620 atletas participantes eram norte-americanos.

1906 - Atenas voltou a sediar os jogos, que ainda não tinham uma periodicidade definida, já que esta edição ocorreu apenas dois anos após a anterior.

1906 – Atenas voltou a sediar os jogos, que ainda não tinham uma periodicidade definida, já que esta edição ocorreu apenas dois anos após a anterior.

1908 - Londres sediou os jogos durante uma edição da Exibição Franco-Britânica, que ressaltou a assinatura da Entente Cordiale (1904)

1908 – Londres sediou os jogos durante uma edição da Exibição Franco-Britânica, que ressaltou a assinatura da Entente Cordiale (1904)

Mais um cartaz dos jogos de 1908 em Londres

Mais um cartaz dos jogos de 1908 em Londres

Read the rest of this entry ?