Archive for the ‘Fotos Históricas’ Category

h1

Vestidos para morrer – Os uniformes de combate que matavam os soldados

março 3, 2017
wellingtons33rd-640x463

Reproduções de trajes de combate britânicos utilizados nas Guerras Napoleônicas

Uniformes militares não apenas identificam os combatentes como também devem ser aparatos práticos e funcionais para quem faz uso deles, mas alguns trajes utilizados em combate acabaram facilitando o trabalho dos adversários.

No século 18 os uniformes que colocavam os soldados em risco eram bem comuns, pois a identidade visual parecia ser mais útil do que a segurança daqueles que vestiam os trajes de combate. A rígida disciplina exigia dos soldados esmero quanto ao visual, disciplinando a aparência num extremo exercício de autoridade e controle. Os oficiais – geralmente nobres – pegavam no pé, cobravam detalhes e gostavam de usar as miudezas estéticas do alinho visual como motivos para demonstrar quem mandava. Soldados eram punidos porque os casacos não estavam perfeitamente cuidados, as botas não estavam lustradas ou qualquer acessório estava fora do lugar adequado e esse rigor visual acabou virando um obstáculo na hora do combate.

Entre os elementos do vestuário incômodos estavam uns colarinhos altos de couro que compunham fardamentos de tropas de diversos países, que atrapalhavam porque reduziam a agilidade e mobilidade no movimento do pescoço dos soldados, que também frequentemente prendiam os queixos nos inúteis colarinhos. Na prática um detalhe como esse poderia resultar em deficiência no campo de batalha.

O desconforto do traje também poderia ser péssimo e neste quesito o uniforme prussiano por ocasião da Guerra dos Sete Anos (1756-1763) era um perfeito exemplo, pois era exageradamente apertado por economia de material têxtil e ficava ainda pior quando molhado. O uso de roupas muito justas como a prussiana restringia o movimento, podia atrapalhar a circulação, gerar incômodos pelo desconforto e também era péssimo para proteção contra o resfriamento do clima, sobretudo porque – também por economia – o exército não forneceu capas ou agasalhos para os combatentes e como resultado muitos chegaram a morrer por congelamento.

hessen-kassel

Combatente hessiano com seu esplendoroso (e perigoso) chapéu 

Por ocasião da Revolução Americana (1775-1783) os britânicos recorreram ao reforço de mercenários alemães, que compunham a tropa hessiana (nome derivado da origem do contingente, já que muitos dos combatentes eram da região de Hessen-Kassel). Além dos uniformes vistosos, os hessianos usavam um exuberante chapéu ricamente ornamentado e este detalhe de beleza era justamente o ponto vulnerável da composição visual dos soldados, pois além de atrapalhar o movimento da cabeça, esbarravam em galhos e faziam com que os emblemas brilhantes reluzissem na claridade virando visíveis alvos para os atiradores americanos, que facilmente realizavam tiros nas cabeças dos oponentes, que viravam também vítimas da estética.

Os uniformes britânicos traziam detalhe mortal para seus soldados: uma aparentemente inofensiva (e inútil) faixa branca que se destacava sobre o casaco vermelho e pendia geralmente do alto do ombro direito, passando sobre o centro do tórax do combatente. Por que esse adereço era um problema? Por facilitar a pontaria do atirador, pois graças à faixa o oponente poderia mirar com melhor referência no coração do britânico elegantemente vulnerável.

De início os casacos vermelhos dos britânicos até chegavam a ser importantes como armas de intimidação, pois muitos inimigos tremiam diante dos pelotões que realmente causavam impressão com o grau de uniformidade que a visão dos soldados gerava. Mas não tardou e essa vantagem se converteu num problema. Ainda durante a Revolução Americana os casacos vermelhos se destacavam diante da paisagem e os soldados viravam alvos fáceis em virtude do destaque da cor de seus uniformes (que também contavam com a incômoda gola alta). Só no século 19 os britânicos se convenceram de que o vermelho não era uma cor adequada para uso em combate.

Durante a Guerra Civil Americana (1861-1865) uniformes também geravam problemas e a falta deles era algo ainda pior. No caso das tropas sulistas a situação de escassez era grande e a precariedade muitas vezes precisou contar com a reciclagem de itens. Durante a Batalha de Shiloh (1862) a situação foi desastrosa porque significativa parte dos soldados confederados foram colocados em combate usando uniformes que haviam sido recolhidos de adversários capturados, ou seja, lutaram usando uniformes inimigos. Durante as confusões típicas em combate, vários sulistas foram alvos de “fogo amigo” porque eram confundidos com soldados da União.

Na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) uniformes continuavam causando estragos. Muitos dos exércitos dos países em combate já haviam abandonado seus uniformes tradicionais e nada práticos, recorrendo a cores neutras e com detalhes de camuflagem indispensáveis numa fase em que armas com mais precisão eram utilizadas, mas também eram usuais determinados detalhes que atrapalhavam os soldados. Os soldados franceses, por exemplo, entraram em guerra usando belos chapéus e não capacetes de aço – só durante a guerra trocaram a elegância pela funcionalidade, coisa que os alemães perceberam desde o início ao adotarem os stahlhelme, que protegiam bem as cabeças de seus soldados. Por insistência do ministro da guerra a França também não iniciou a guerra usando as tradicionais calças vermelhas da infantaria dos tempos de Napoleão e antes do conflito essa determinação foi duramente criticada na imprensa por representar um ultraje ao bom gosto e orgulho pátrio, mas o ministro estava certo, afinal, outras tropas combatentes de outros países resolveram apostar na tradição e seus soldados viraram alvos visualmente destacados nos campos de combate. O caso dos soldados romenos foi bem exemplificativo, pois eles entraram na guerra usando uniformes cheios de detalhes e destaques visuais nada discretos, ou seja, estavam na condição de alvos ambulantes bastante óbvios. Muitos morreram elegantemente trajados numa guerra que exigia trajes discretos.

h1

Direito das mulheres: O voto feminino foi resultado de lutas

março 8, 2015
625581_303126833146271_1734138974_n

Mulheres realizando manifestação pelo voto feminino em Washington (EUA) durante jornada de atos políticos em 1913. Somente em 1920 o Congresso estabeleceu o direito reivindicado.

Em 1893 as mulheres puderam votar de forma pioneira no mundo ocidental moderno na Nova Zelândia, mas a possibilidade de assegurar meios para o exercício básico da cidadania para as mulheres através da participação política ocorreu diante de oposições e obstáculos. Também no século XIX, na Inglaterra, as “suffragettes” (termos empregado para identificar as ativistas pelo voto feminino) atuaram arduamente em prol da conquista do direito à participação eleitoral e assim também eram chamadas as militantes pela causa nos EUA, onde apenas em 1920 foi obtido o direito ao voto das mulheres. Somente em 1930 o voto feminino foi instituído no Brasil.

h1

“Todos Negros”: Um histórico flagrante de racismo

abril 12, 2014

68649_267738910018397_1291639342_n

Sequência da qual faz parte a icônica foto que o fotojornalista Luiz Morier realizou em 1983. O flagrante mostra seis moradores negros de uma comunidade sendo presos por um PM, amarrados pelo pescoço como escravos humilhados. Depois foi constatado que todos eram trabalhadores e não possuíam envolvimento com ilegalidade. A famosa foto intitulada “Todos negros” (a terceira nessa sequência) correu o mundo e lhe rendeu o Prêmio Esso de fotografia de 1983.

h1

A última foto de Che Guevara vivo

abril 8, 2014

1376656_398446060281014_1893665110_n

O registro foi feito em 8 de outubro de 1967, quando Che Guevara estava detido por militares bolivianos. No dia seguinte ele foi executado.

h1

Belas imagens do horror atômico

janeiro 18, 2014

A capacidade destrutiva das bombas atômicas causou terror durante a Guerra Fria. Os mega-artefatos explosivos viraram elementos de uma perigosa competição entre os EUA e a URSS e alguns dos países associados a eles. Cada teste procurava superar o anterior e cada bomba pretendia dar um sinal claro para o lado oposto a respeito do quanto o país que o executava tinha condições de ser um adversário duro e arrasador.

Mas se as bombas aterrorizavam, por outro lado, promoviam espantosos espetáculos visuais. Aqui estão alguns registros:

1- A Experiência Trinity (16 de julho de 1945) foi o teste norte-americano realizado no Novo México e representou o início da Era Atômica. O experimento foi registrado em fotos realizadas por Harold “Doc” Edgerton:

ku-xlarge

ku-xlarge (1)

ku-xlarge (2)

ku-xlarge (3)

Read the rest of this entry ?

h1

Hitler top model

maio 10, 2013

Hitler posando para capa de um disco contendo gravações de seus próprios discursos em 1925. Depois de ver o resultado das fotos registradas por Heinrich Hoffmann o futuro Führer ordenou a destruição dos negativos, mas o fotógrafo não o obedeceu.

02-620x743 25-620x489 35-620x481 45-620x845 53-620x863 62-620x473 72-620x848 91-620x471 101-620x470 112-620x855 113 113-620x869 121-620x481 141-620x412 151-620x437