Archive for julho \26\UTC 2015

h1

Pesquisa nos EUA buscou saber como (ou se) a Revolução Americana é ensinada em outros países

julho 26, 2015

washington-delaware

No blog Quartz, que traz geralmente postagens sobre política norte-americana, foi publicada uma interessante análise sobre como em outros países o processo de independência dos EUA é abordado didaticamente [clique aqui para conferir]

A curiosidade do redator do blog se deve ao fato de que entre eles, nos EUA, “a guerra da revolução é um fato histórico intensamente orgulhoso para a maioria dos americanos (talvez até orgulhoso demais)”, porém, em outros lugares no mundo o sentimento associado a tal evento não é o mesmo e as narrativas em torno do processo de independência norte-americana possuem outras perspectivas – o que seria evidente, claro.

O levantamento de informações foi feito através da verificação de impressões a respeito do tema através de serviços como Reddit e Quora (algo melhor que o nosso conhecido Yahoo Respostas), que relacionou alguns aspectos que não são desconhecidos aqui entre nós também e acabaram sendo listados como parâmetros relativos ao como se aborda a independência dos EUA em outros países. O que se buscou através de interlocutores de vários países foi basicamente saber como ou o que eles aprenderam sobre o Revolução Americana nas escolas.

Primeiramente percebeu-se que além dos EUA o foco analítico sobre o processo de emancipação das 13 Colônias não se concentra na ação militar (os norte-americanos estudam com mais detalhe os combates e os atos que qualificam como heroicos nos campos de enfrentamento bélico). Fora dos EUA a guerra fica em um plano secundário ou nem é realmente abordada, pois a ênfase se dá sobre o plano filosófico do processo, que é vinculado ao Iluminismo. Outro apontamento foi de que a Revolução Americana é abordada como “nota de rodapé da Revolução Francesa” (que ocorreu posteriormente), deixando de lado o caráter do processo estadunidense como catalisador da onda revolucionária de todo aquele contexto internacional. Sim, claro, foi percebido também que há lugares onde não dão a mínima para a independência dos EUA e o tema não é ensinado nas escolas.

Os britânicos, por exemplo, não aprendem praticamente nada sobre a Revolução Americana nas escolas. No máximo, eles associam o evento nos EUA ao próprio processo da Revolução Inglesa e das ideias e práticas derivadas dela (aí incluem as contribuições pensamento de John Locke como fator que influenciou os revolucionários da ex-colônia). Enfim, percebeu-se que história ensinada na Europa é basicamente a História da Europa. E mais: Atribuem por lá relativamente pouca importância para a Revolução Americana e um indício disso é até o fato de que o avanço do Império Britânico ocorreu justamente após a independência dos EUA – como se a separação entre colônia e metrópole não tivesse surtido nenhum efeito sobre o destino da Inglaterra e também não repercutindo sobre os rumos da Europa.

Na coleta de indícios sobre o ensino a respeito da Revolução Americana, o autor do levantamento também registrou o depoimento de alguém do Brasil, resposta que convém citar:

“Fui ensinado sobre o fato, mas superficialmente. Geralmente o fato é apontado como um passo importante para se compreender a Revolução Francesa de 1789, como demonstração de que o Iluminismo era mais do que apenas filosofia e que poderia gerar um sistema político real. No entanto, como muitos professores de história brasileiros possuem preconceitos antiamericanos acabam não dando a devida atenção para o tema nem em seus próprios estudos”.

h1

Benito Mussolini em uma de suas poses mais infelizes

julho 19, 2015
h1

Mapa da produção científica mundial

julho 16, 2015

1338794842659401797

Esta imagem estranha acima representa a produção científica mundial, ilustrando bem o grau de diferença e desigualdade na geração de conhecimento no planeta. O hemisfério norte está muito adiante da parte sul e isso tem relação com outros parâmetros diferenciadores entre estas duas partes do mundo.

Investimentos são necessários para produção de pesquisas científicas e no sul faltam capitais disponíveis para muitas necessidades elementares e, obviamente, isso afeta o desenvolvimento de ciência, tecnologia e conhecimento de forma geral. Além das dificuldades meramente financeiras, persistem também obstáculos técnicos que são indicados até pela qualidade e acesso à internet, disponibilidade de laboratórios, equipamentos e integração entre pesquisadores.

Esta situação contribui ainda mais para o quadro de desequilíbrios globais.

Os dados que resultaram no mapa são baseados em publicações em revistas científicas de “alto impacto” e excluem outras plataformas de publicação ou registro de produção científica (como volume de teses, monografias, relatórios) e também aferem adequadamente o ambiente das pesquisas sociais (que possuem parâmetros distintos para a constituição de saberes científicos), mas indicam que a necessidade de financiar pesquisas e infra-estrutura científica é um fato concreto.