Historiador contesta origens e formação do islamismo

O historiador britânico Tom Holland apresenta conclusões que contestam fatos consagrados sobre as origens e desenvolvimento do islamismo. Suas teses são apresentadas em um documentário e no livro intitulado À sombra da espada.

Aqui está uma entrevista que Holland concedeu à Revista Época (Edição 747, de setembro de 2012):

Tom Holland recebeu críticas e ameaças em função de suas conclusões contidas no livro À sombra da espada

Como surgiram as dúvidas em relação à história d islamismo?
Tom Holland – Nos anos 1950 e 1960, historiadores começaram a estudar os hadiths, as citações de Maomé, e a questionar se eram realmente do tempo do profeta. Quando ficou claro que, nesse caso, as “provas” que a tradição islâmica oferecia eram fracas, a estrutura toda começou a ruir. As biografias do profeta, os comentários ao Corão, as informações sobre o surgimento do islamismo, tudo ficou sob suspeita. Recentemente, os historiadores começaram a se perguntar se aquilo que os historiadores islâmicos dos séculos IX e X escreveram sobre o começo de sua fé era historicamente verdadeiro. A conclusão tem sido que, para entender o islamismo, as fontes islâmicas não são suficientes. Assim como se questiona se as narrativas sobre a vida de Cristo, escritas dois ou três séculos depois que as coisas aconteceram, correspondem aos fatos, o mesmo começa a ser feito com o islã.

Corno surgiu a historia do islã que conhecemos hoje?
Holland – Os bispos que triunfaram no Concilio de Niceia, no século IV, reescreveram a história do cristianismo para assegurar que houvesse uma única narrativa, linear, desde os tempos de Cristo. Provavelmente ocorreu o mesmo no islamismo. Existem diferentes interpretações dentro do islã, que parecem recuar no tempo até o século VII. Aquilo que conhecemos hoje como islamismo demorou pelo menos tanto tempo quanto o cristianismo para se consolidar. A história mostra que religiões e grandes civilizações não emergem formadas. Elas surgem pela confluência de circunstâncias e influências. Evoluem lentamente.

O senhor diz que o Corão é composto de várias influências – inclusive mitologia grega -, mas afirma que como documento histórico ele é sólido. Como é isso?
Holland – Quando se estudam as citações atribuídas a Maomé (os hadiths), percebe-se nitidamente que foram moldadas pelo período em que foram escritas. Elas contêm alusões claras a eventos históricos que tiveram lugar décadas e mesmo séculos depois da morte do profeta. Com o Corão, não é assim. Tanto quanto podemos perceber pelas cópias mais antigas, parece que todos aqueles que o copiaram agiram como se estivessem lidando com algo extremamente sagrado. Eles tentavam não mudar nada. Mesmo quando havia problemas entre o texto do Corão e rituais e leis islâmicas correntes, o texto foi preservado. Por exemplo, os muçulmanos rezam cinco vezes ao dia, e isso parece ter origem nas práticas do zoroastrismo, a religião dos persas. Mas o Corão diz que se deve rezar três vezes. Não se tentou alterar o texto do Corão para adequá-lo à realidade, embora isso pudesse facilmente ter sido feito. Ao que tudo indica, o Carão foi tratado como o livro mais sagrado, com que não se podia brincar. Portanto, o texto que temos hoje parece ser algo original, que veio de um período remoto e foi preservado através dos séculos.

O Corão foi escrito quando se diz que ele foi escrito?
Holland – Um de nossos desafios é descobrir precisamente de que período veio esse documento. A tradição islâmica diz que esse texto emergiu pronto da boca de alguém chamado Maomé, que viveu num certo período (570-632 d.C.). O peso das evidências dá apoio à tradição. O Corão parece aludir a episódios que tiveram lugar no início do século VII, um dos quais é uma derrota romana para os persas, que ocorreu na Palestina, exatamente no período em que a tradição diz que o profeta viveu. Há também uma passagem referente a Alexandre, o Grande. Ela ecoa, quase palavra por palavra, um texto escrito no Irã em 630 por um sírio ligado ao Império Romano. Essa é a data mais antiga em que podemos identificar uma fonte no Corão, e ela corresponde ao que nos informa a tradição. Uma vez que você aceita isso, pode aceitar o Corão como uma fonte de informação legítima, primária, capaz de nos dar pistas sobre onde, como e por que Maomé agia.

O senhor diz que Meca talvez não tenha sido o lugar onde Maomé nasceu e deu origem ao islamismo. Por quê?
Holland – Meca é um problema. De acordo com a tradição islâmica, ela era uma cidade pagã, sem traços de comunidades cristãs ou judaicas, e estava localizada num deserto. Maomé, vivendo ali, era analfabeto, porque não poderia ter aprendido a ler. Entretanto, no Corão há centenas de referências a profecias judaicas e cristãs. A Virgem Maria aparece no Corão mais que no Novo Testamento. Não só o profeta parece familiarizado com essas citações, como parece contar com uma audiência igualmente familiarizada com as tradições bíblicas – embora a tradição afirme que em Meca havia apenas pagãos. Algo ainda mais problemático é Meca ser mencionada uma única vez no Corão, de uma forma ambígua. Pode ser uma referência a um vale tanto como a uma vila. Não está claro. E nenhuma outra fonte do período menciona a cidade. De nenhuma forma. A primeira vez que o nome da cidade aparece é em 741. Quase um século depois da morte de Maomé. Mesmo assim, a cidade é localizada num deserto no interior do atual Iraque, não na Arábia. Não acho que Maomé seja originário de Meca. Ele provavelmente veio mais do norte. As evidências do Carão sugerem isso.

Por que a tradição islâmica situa o nascimento da religião em Meca?
Holland – Justamente porque ela é tão remota, tão isolada. Se você acredita que o Corão veio direto de Deus, você tem de deixar claro que não poderia ter vindo de nenhuma fonte mortal. O paralelo é com a virgindade de Maria, na tradição cristã. Se os cristãos acreditam que Jesus é o filho de Deus, divino, eles não podem tolerar que Jesus seja filho de um pai terreno. Logo, Maria tem de ser virgem. Então, se o Corão é divino, se vem diretamente de Deus, os muçulmanos não podem tolerar nenhuma menção de que ele possa ter vindo de influências judaicas ou cristãs. Eles precisavam situar sua origem num lugar o mais remoto possível. Esse lugar é Meca.

Qual sua conclusão sobre Maomé? Ele existiu ou é apenas uma lenda?
Holland – Tenho certeza de que existiu. A dificuldade está em saber quanto mais do que isso podemos dizer. Sabemos que ele existiu porque há um texto de propaganda cristã, em 634, que descreve os árabes num ataque à Palestina sob a liderança de um “profeta dos sarracenos”. Quem poderia ser senão Maomé? Isso parece demonstrar, no mínimo, que alguém muito parecido com Maomé estava ativo na Palestina durante aquele período. Mas Maomé, de acordo com a tradição islâmica, morreu em 632. O mesmo texto que confirma a existência do profeta contradiz a tradição sobre a data de sua morte.

O que os muçulmanos acham de seu livro e de suas conclusões?
Holland – Isso depende. Alguns estão furiosos. Outros reconhecem que o debate é parte do processo de que emergirá uma forma ocidental de islamismo. Na tradição ocidental, é natural que a religião seja alvo de investigação intelectual e acadêmica. Agora que o islã está se tornando uma religião europeia, ele será alvo do mesmo tipo de abordagem histórica que foi feita em relação ao cristianismo e ao judaísmo. Quase todos os muçulmanos com quem conversei foram muito generosos e abertos a respeito de minhas ideias.

O senhor não tem medo de sofrer perseguições por causa de seus pontos de vista?
Holland – Acredito que até mesmo o mais fanático muçulmano aceitaria o direito de alguém que não e muçulmano duvidar que o Corão tenha vindo de Deus. A presunção muito difundida de que questionar a origem do islamismo significa receber automaticamente uma sentença de morte e que barbudos furiosos atacarão quem fizer isso está muito distante da verdade. A islamofobia assume que os muçulmanos são tão violentos e irracionais que, se você apenas questionar sua religião, eles virão matá-lo.. Não acredito nisso. Essa imagem não corresponde a nenhum muçulmano que conheço.

O escritor Salmam Rushdie talvez discordasse dessa afirmação.
Holland – Bem, Salmam Rushdie era originalmente muçulmano. No caso dele, havia uma acusação de apostasia (trocar uma religião por outra). Mas ele também estava fazendo um esforço deliberado de provocar. Defendo seu direito de fazer isso como artista, mas insultar propositalmente a figura do profeta é muito diferente de questionar as bases históricas do que sabemos a respeito dele.

Anúncios

3 comments

  1. Impressionante grau de negação dos fatos : ” Acredito que até mesmo o mais fanático muçulmano aceitaria o direito de alguém que não e muçulmano duvidar que o Corão tenha vindo de Deus.” Os diversos grupos jihadistas já mostraram que esta visão do autor dos fundamentalistas islâmicos é totalmente incondizente com a realidade.Além disso,basta ele tentar expressar seus pontos de vista em um país como a Arábia Saudita (ou talvez nem precise chegar ao mais ortodoxo,há outros aparentemente menos radicais onde a a mesma reação das massas e clérigos se daria )para ver o que ocorre …

  2. O alcorão fala de se rezar três vezes. Porém, além de praticar o que está no Alcorão, também praticamos o que fora transmitido como atos do profeta saas. Conhecidos por sunnas. Então para nós seguir o exemplo de Muhammad é baseado no Alcorão como indica a passagem: “Realmente, tendes no Mensageiro de Deus um excelente exemplo para aqueles que esperam contemplar Deus, deparar-se com o Dia do Juízo Final, e invocam Deus freqüentemente.” (Alcorão Sagrado 33:21)

  3. Sobre o Islã : Citemos algumas suras e versículos do Corão : “Para aqueles que não crêem em Deus e em Seu Mensageiro preparamos um fogo flamejante”. (48:13) “Cada vez que suas peles forem queimadas, substitui-las-emos por outras para que continuem a experimentar o suplício”. (4:56) “Desgraça alguma acontece, senão com a permissão de Deus”. (… : …)
    Na sura 2:178 a pena de talião é prescrita; na 2:191 ordena-se a matança dos descrentes; na 2:193 manda-se combater os idólatras e os iníquos; na 2:194 manda-se castigar as profanações com a pena de talião; na 3:4 diz-se que Deus é poderoso e vingativo; na 3:54 diz-se que Deus é o mais hábil dos conspiradores; na 3:141 manda-se aniquilar os descrentes; na 4:34 diz-se que “Os homens têm autoridade sobre as mulheres porque Deus os fez superiores a elas…” na 4:91 manda-se capturar e matar o adversário; na 5:38 manda-se cortar as duas mãos do ladrão e da ladra; na 5:51 manda-se não tomar por aliados os judeus e os cristãos; na 5:95 repete-se que Deus é poderoso e vingativo; na 8:12 diz-se: “… Infundirei o terror no coração dos descrentes. Separai-lhes a cabeça do pescoço; batei em todos os seus dedos”; na 8:30 repete-se que Deus é o mais hábil dos conspiradores; na 8:39 exorta-se a combater os idólatras; na 9:2 diz-se que Deus “aviltará os descrentes”; na 9:3 anuncia-se “um castigo doloroso aos descrentes”; na 9:5 diz-se: “matai os idólatras onde quer que os encontreis, e capturai-os e cercai-os e usai de emboscada contra eles”; na 9:5 diz-se que todo idólatra (ou infiel) é depravado; na 9:23 manda-se desprezar os “pais e irmãos se eles preferirem a descrença”;
    Estamos na 9a sura. Até alcançarmos a última, a de no 114, muito mais coisas da mesma natureza se encontrarão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s