h1

Napoleão, um general da propaganda

janeiro 7, 2017

800px-francois-louis-joseph_watteau_001

Napoleão foi sem dúvidas um incrível general, um carismático e habilidoso líder político e tornou-se uma figura histórica icônica, mas ele também contou com uma eficiente propaganda para ressaltar sua imagem, seus dotes e feitos.

Ainda nas campanhas militares de 1796 e 1797 a imagem de Napoleão começou a ser reforçada pela propaganda. Na ocasião ele era um jovem comandante militar em ascensão, mas estava longe de ser um líder político com apelo popular quando teve a ideia de recorrer à mídia como arma estratégica. Sua ideia inicial era produzir notícias sobre a própria guerra para promover apoio entre os civis e estimular os soldados e fundou dois em suas campanhas militares na Itália: Courrier de l’Armée d’Italie (“Correio do Exército da Itália”) e La France Vue de l’Armée d’Italie (“A França vista do Exército da Itália”). As publicações eram distribuídas entre os combatentes, mas eram remetidas também para a França, onde eram acolhidas com entusiasmo e curiosidade, o que reforçava a imagem do comandante perante os cidadãos. Certamente a linha editorial dos jornais era bastante parcial, pois ressaltavam a liderança de Napoleão e as vitórias sob seu comando, omitindo detalhes sobre dificuldades e derrotas em investidas que não deram certo e além disso os dois jornais não existiam por acaso, pois um deles possuía uma linha mais voltada para os revolucionários (Currier) e o outro tinha um tom mais moderado para agradar aos conservadores (La France), logo, Napoleão buscava atingir tanto os radicais quanto os conservadores de uma vez.

Nas ruas de Paris eram alardeados os feitos do destemido general, que passou a figurar em conversas, poemas, encenações teatrais, gravuras e pinturas representando cenas de batalhas ou retratos de um glorioso e imponente Napoleão e na medida em que conquistava mais prestígio ele promovia ainda mais sua imagem.

Por ocasião da Campanha do Egito a propaganda chegou a níveis incríveis. Em sua expedição quase 200 eruditos de diversos campos integraram a comitiva napoleônica não apenas para agradar seus interesses reais por conhecimento mas também para produzir notícias e gerar repercussão, ressaltando Napoleão como um erudito iluminista promotor de descobertas científicas e difusão dos saberes do distante e opulento Egito (em 1798 ele foi eleito como membro da distinta Academia Francesa de Ciências).

Assim como ocorreu na campanha italiana, ele também criou publicações na expedição no Egito. O jornal Courrier de l’Egypte (“Correio do Egito”) era destinado a um público mais abrangente que incluía as tropas e os cidadãos comuns na França, ressaltava os êxitos militares e diplomáticos, revertia até insucessos sobre derrotas – que eram narradas como sucessos. O jornal La Décade Egyptienne (“A Década Egípcia”) era mais erudito e tratava das descobertas científicas e relatos dos trabalhos dos pesquisadores integrantes da expedição. Os jornais alimentaram a fama de Napoleão, recepcionado de volta triunfante apesar do fato de que a investida sobre o Egito ter rendido resultados que não correspondiam ao que clamava a propaganda – Napoleão foi embora do Egito deixando para trás um exército doente, arruinado, isolado e entregue à própria sorte.

Com a cada vez maior projeção política de Napoleão a propaganda também foi uma ferramenta de poder. Ele alardeava enquanto galgava os degraus políticos a defesa da liberdade da imprensa, o que era uma posição que gerava simpatia e promovia a imagem de um líder moderno e atento aos clamores do Iluminismo, mas quando se tornou imperador a postura diante da imprensa mudou significativamente. O imperador Napoleão I adotou uma postura rígida e autoritária, o que gerou descontentamentos e, consequentemente, resultou em manifestações críticas na imprensa livre. Para conter as críticas e denúncias contra si e seu governo, Napoleão instituiu um órgão de controle das atividades de imprensa e editoriais, estabelecendo censura, supervisão das atividades dos editores, jornalistas, autores e estabelecimentos. Apesar de tanto controle, nem toda censura conseguiu esconder suas derrotas mais evidentes e a imagem do líder ficou seriamente ofuscada por um descontentamento que não poderia ser simplesmente revertido por propaganda.

Mesmo em seu exílio em Santa Helena Napoleão continuou insistente no propósito de promover sua reputação. Ele se cercou por diversos interlocutores – muitos também exilados – com quem tinha longas conversas sobre seus feitos e ideias. Destas conversas surgiram após sua morte diversos relatos e registros das memórias de Napoleão e vários livros, que talvez tenham sido resultados de outra genial ação propagandista para a posteridade.

Adaptação de “Napoleon: The Great General Also Used Propaganda to Boost His Popularity”
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s