As 16 datas de mudaram o mundo: 3- A HÉGIRA

Pierre Miquel (1930-2007)
Por Pierre Miquel (1930-2007) - Historiador francês

 

O antes da Hégira, o ano I da era muçulmana, o ano 622 da era cristã, representa a divisão do mundo conhecido entre os reinos bárbaros do oeste da Europa, fragmentados, divididos e ainda submetidos às invasões, e o império bizantino cristão que sobrevive a leste do Mediterrâneo.

O após a Hégira é a conquista muçulmana, a guerra santa, mantida pela fé de uma nova religião que deixa subsistir no Oriente um império bizantino enfraquecido e que estende seus avanços no Ocidente até a Espanha e ao sul da Gália, cortando em dois o Mediterrâneo durante quatro séculos.

 *****

No dia 16 de julho de 622, quando o profeta Maomé emigra de Meca, onde é perseguido, para encontrar refúgio em Medina, ele começa então uma aventura espiritual que será seguida pelo estabelecimento, sobre uma parte do mundo conhecido, da nova religião, o Islã, de quem ele é o iniciador e o propagador.

Ele inicia suas predicações em 613, quando se dirige aos árabes nômades, adoradores das árvores e das pedras, e em particular da pedra negra de Meca, a Caaba. A esse politeísmo tradicional ele opõe um Deus único chamado Alá, cujo maior representante era Abrão, ancestral mítico dos árabes por intermédio de Ismael.

Maomé, que nasceu em Meca na prolífera tribo dos coraixitas e no seio da respeitável família de Hachim, é um caravaneiro pobre que se casa com a rica viúva Cadija. Ele recebe aos quarenta anos a visita do arcanjo Gabriel, que lhe revela sua missão como profeta. “Alá é um Deus eterno único, ao lado do qual não há outro deus”, e acrescenta “que Alá não tem nem esposa, nem filho”. Alá não desce sobre a terra, nem envia mensageiro do céu. Ele dirige-se ao mundo exclusivamente pela boca de seu profeta.

A primeira tarefa desse profeta é a de reunir os árabes. Os sermões de Maomé começam em Meca onde ele não é bem acolhido pelos mercadores politeístas. Ele deixa então a capital para encontrar refúgio em Yatribe, que se tornou Medina el-Nabi — Medina, a cidade do profeta. É a hégira (fuga), ponto de partida para a conquista.

O mundo no qual Maomé vive é ainda dominado pela potência bizantina, cujo poder, é verdade, diminuiu. O imperador, em 476, ainda reinava sobre os príncipes da Ásia, sobre o Egito, a Síria, a Palestina, a Mesopotâmia do norte, sobre uma parte do nordeste da África, e, na Europa, sobre os Bálcãs. O império que contava com sete dioceses e sessenta e quatro províncias era ainda o Estado mais poderoso do mundo conhecido. Possuía os meios, sob Justiniano em 527-568, para começar uma reconquista do Ocidente.

O imperador de Constantinopla havia afirmado sua superioridade espiritual sobre os bispos intervindo na luta teológica dos monofisistas, poderosos na Síria e no Egito; ele procurava tratá-los com diplomacia para evitar uma secessão, entrando assim em conflito com o papa.

O cesaropapismo oriental era muito diferente do papismo ocidental, que se mantinha fora dos Estados, reivindicando a integralidade do poder espiritual. O imperador do Oriente detinha o poder temporal, mas intervinha também, por razões políticas, nas questões de fé. Considerava como seu dever impor em todos os lugares a ortodoxia, mas também se harmonizar, em caso de necessidade, com as seitas dissidentes para preservar a unidade do império.

Desde o começo do século VII, o império estava ameaçado por novas invasões. Os eslavos espalhavam-se nos Bálcãs, juntamente com os avaros. Mas principalmente a dos persas sassânidas, que pretendiam dominar, de um ponto a outro, a principal fonte de riqueza do Oriente, a rota da seda em direção à China e à índia, cujas caravanas embarcavam seus produtos nos portos da Síria e da Palestina.

O chefe de guerra, Heráclio, senhor do império em 610, havia mantido uma guerra santa contra os sassânidas, expulsando-os da costa síria. Em 630, havia restaurado a cruz de Cristo em Jerusalém. Ele não manifestava nenhuma pretensão na Arábia, cujo comércio de caravanas era secundário a seus olhos.

Quando Maomé pretendera pregar sua religião entre os judeus, estes o rejeitaram, considerando sua fé incompatível com a Bíblia; porém, ele havia conseguido reverter sua posição em Meca, transformando-a, em 630, na capital do Islã. Maomé começou a unificação política e religiosa da Arábia, mas toda expansão em direção ao norte lhe era proibida pelas portas de Jerusalém, fechadas. Uma outra religião monoteísta do Livro, apoiando-se sobre uma sociedade fortemente organizada, fazia-lhe obstáculo.

Depois da morte de Maomé, em 632, o Islã ainda era uma religião regional, limitada no espaço às tribos árabes do Hedjaz, e nada anunciava que ela assumiria uma missão universal. Ainda não dispunha de um livro, o Corão, uma coletânea de textos transcritos por Maomé e revelados pelo arcanjo Gabriel (Djabrail). O Corão será redigido somente a partir de 633, com uma versão oficial em 650.

Mas esse monoteísmo simples possuía meios para seduzir imediatamente as massas orientais. Ou seja, um Deus único, sem complicações teológicas como na religião cristã, práticas rituais pouco exigentes: a prece, o jejum, a leitura do Corão, a peregrinação a Meca, a esmola e a profissão da fé. A religião possuía um igualitarismo absoluto, que chegava até a afirmar que um escravo podia ser um califa; uma visão concreta de moral, do bem e do mal, e a recompensa do céu, o paraíso dos eleitos.

Os persas, os gregos, os egípcios e os orientais hostis ao cesaropapismo podiam acolher sem demora a mensagem de Maomé. Era bem mais fácil ao Islã instalar-se, pois por razões financeiras (somente os não-muçulmanos pagavam tributos) a nova fé mostrava-se tolerante para com as outras religiões do Livro, a cristã e a hebraica.

Os descendentes de Maomé se encarregaram de veicular a mensagem por meio de uma explosão guerreira única na história, pois ela não foi somente um fogo de palha como tantas outras conquistas fulgurantes: ela realmente criou um mundo muçulmano durável em alguns anos de guerra santa.

Primeiro o Oriente: o sogro de Maomé, Abu Bakr, proclamado califa (sucessor do profeta) em 632, estabeleceu solidamente a religião em toda a Arábia, suprimindo toda dissidência. Seu sucessor Ornar conquista o Oriente em dez anos, de 634 a 644. A Pérsia sassânida esgotada pela guerra cai em seus braços: eis os árabes donos da rota da seda. Damasco é conquistada em 635, Jerusalém em 638. Alexandria do Egito em 642. O celeiro de trigo do Oriente está nas mãos dos vencedores.

O império bizantino, dividido por questões teológicas e coalhado de bárbaros, não reage. Deixa-se pilhar, mesmo se Bizâncio conserva seus territórios da Ásia Menor e se os árabes, na seqüência, fracassam diante das sólidas muralhas de Constantinopla (cerco de 674 a 677).

A conquista recomeça sob o califado de Othman, o genro do profeta, de 644 a 656. A Pérsia é inteiramente conquistada e os guerreiros levam o estandarte verde até o Cáucaso, ao norte, e em direção à índia, ao sul. Uma guerra civil após o assassinato de Othman, em 656, retarda a guerra santa durante alguns anos. O califa Ali, outro genro do profeta, um muçulmano intransigente, é por sua vez assassinado em 661, abandonado por uma parte de seus fiéis xiitas.

Moawiya o sunita, poderoso parente de Othman, retoma então a guerra santa, torna o califado hereditário, funda a dinastia dos omíadas e reina em Damasco até 750. Ele pensa que a Morada do Islã deve fazer triunfar a fé em todo o mundo graças à Morada da Guerra.

Ele termina em 710 a conquista do Magreb, invade a Espanha a partir de 711, atravessa os Pireneus em 720, espalha-se na Aquitânia, na região de Narbona e no vale do Ródano. Somente em 732 ele é impedido pelo franco Carlos Martel diante de Poitiers. A invasão recua no Ocidente, mas a Espanha será ocupada durante sete séculos.

No Oriente, a conquista não é menos espetacular: no começo do século VIII, os árabes conquistam o Sind, ocupam o Afeganistão e uma parte do Pendjabe, as províncias romanas da Transoxiana e do Sogdiane na Ásia Central.

A dinastia dos omíadas desaparece. Mas ela é logo substituída pela dos abácidas, que reinarão por cinco séculos. Trata-se ao mesmo tempo de uma conquista e de uma ocupação permanente da parte mais rica do antigo império, aquela que está em contato com a índia e com a China. A resistência de Constantinopla é corajosa, porém desesperada.

Em 750, cento e vinte e oito anos após a Hégira, a religião de Maomé conquistou uma parte do mundo, estabeleceu uma dominação durável, sem forçar em nada a conversão dos povos ocupados. Religião de conquista, mas não sectária como a cristã. Ninguém obriga um grego, um judeu, um egípcio ou um visigodo da Espanha a se converter.

Mas, para conservar sua religião, eles devem pagar um tributo e não contestar em nada a dominação do Islã. O poder dos califas é ao mesmo tempo político e religioso; os dois poderes se confundem. A lei à qual estão submetidos os povos é ditada pela religião e não pode ser questionada.

Dessa forma pouco importa que, no período pós-Hégira, o Islã tenha se dividido em sunitas, ortodoxos do Corão e da Suna (os atos do profeta), e em xiitas (sobretudo iranianos), discípulos de Ali, legitimistas do Islã, e em outros integralistas: por mais tolerante que ele seja, o Islã impõe uma dominação política, se apossa dos bens dos outros cleros e de seus tesouros, às vezes de seus lugares de culto, como os lugares santos de Jerusalém.

Assim, uma guerra de religião interminável aponta o Mediterrâneo como um lugar de afrontamentos com, tanto para o Islã quanto para o cristianismo, religiões guerreiras, avanços e recuos: à guerra santa sucede, a partir do século XI, a cruzada, que não é em sua origem uma guerra de reconquista. Ela torna-se rapidamente uma guerra de reconquista quando os príncipes e os mercadores de Veneza se interessam.

A cruzada permite a criação de Estados latinos permanentes no Oriente, defendidos pelos monges Hospitaleiros e Templários. Uma colonização que permite alimentar um comércio marítimo, que beneficia, sobretudo, os produtos com alto valor de troca trazidos pelas caravanas vindas do Extremo Oriente. Mas as vitórias de Saladino rapidamente obrigam os cruzados a retornar. E elas reconstituem no Oriente o eixo Síria-Egito que gerava então a riqueza dos Estados.

De Bagdá a Kairouan e até Córdoba, o Islã garante o desenvolvimento de uma civilização na qual nada é negligenciado para difundir a cultura filosófica, literária, científica, artística, graças ao encorajamento de talentos de toda espécie, médicos judeus e letrados gregos. O Islã propicia o florescimento de focos culturais dos quais os árabes estão freqüentemente ausentes, mesmo se sua língua, tornada literária, assegura o elo dessa nova civilização.

Esse desabrochar dá ao Oriente um avanço sensível: o Ocidente, dilacerado pelas guerras e pelas crises, constrangido em seu comércio, atormentado pela escassez de moeda e pelas dificuldades das trocas, reduzido às rendas das terras e das minas, parece enfraquecido pela guerra santa, conseqüência da Hégira. O Ocidente conhece horas sombrias entre o V e o X séculos. Ele deve esperar o século XI para se beneficiar do renascimento do pensamento, das artes, do conhecimento, e recuperar seu atraso cultural. Cabe então às cidades italianas, nos séculos XIV e XV, restabelecer os laços com o Oriente, apesar das guerras otomanas. O Mediterrâneo não é mais um mar seguro. Não existe mais um mare nostrum.

 

Pequena Cronologia

Maomé e o Islã

  • 570: Nascimento de Maomé, profeta árabe, em Meca, em uma família de aristocratas da cidade. Órfão logo cedo, ele é recolhido por seu tio Abu-Talib. Conduz caravanas por conta própria. Casa-se com Cadija, uma rica mulher. Eles têm uma filha, Fátima, que se casará com seu primo, o filho do tio Abu Talib, o jovem Ali.
  • 613: Começo do apostolado de Maomé. O arcanjo Gabriel lhe apareceu sobre o monte de Hira. Ele pediu a Maomé para pregar a palavra divina. Maomé se diz profeta como Abrão, Moisés e Jesus. Ele está dentro da tradição judaico-cristã.
  • 16 de julho de 622: A Hégira. Maomé rompe radicalmente com sua tribo.
  • 624: Maomé ordena que a prece seja dita em direção a Meca e não a Jerusalém. Ele rompeu com os judeus. Naquele ano, ele obtém em Badr sua primeira vitória militar contra a cidade de Meca.
  • Janeiro de 630: Maomé e seus discípulos apoderam-se de Meca, destroem os ídolos e transformam a Caaba num santuário muçulmano.
  • 632: Após uma última peregrinação a Meca, Maomé morre de uma pleurisia.
  • 633: Primeira reunião de Abu Bakr e de Ornar, sucessor do profeta, para redigir o Corão. O jovem Zaid ben Tsabit é o encarregado. Antigos companheiros do profeta têm seus próprios textos, bem diferentes.
  • 650: O califa Othman impõe uma versão oficial do Corão. Os xiitas, muçulmanos partidários de Ali, protestam contra as supressões, no texto, de passagens relativas à família de Ali e ao próprio Ali.
  • 661: Assassinato de Ali. Os sunitas, seguidores da sunna (a tradição), separam-se violentamente dos xiitas. Eles reconhecem como legítima a transmissão do califado aos omíadas. Os xiitas compreendem atualmente 10% dos muçulmanos, principalmente no Ira, mas também no Iraque, no Afeganistão, no Paquistão. Eles consideram que o califado deve ser hereditário dentro da família do profeta e que esse direito é de Ali e de seus dois filhos, Hassan e Hussein, e aos filhos destes, os doze imams legítimos.
  • Chama-se de imame o condutor da caravana, e, por extensão, o guia da prece. O imame supremo é o califa, o representante de Deus sobre a terra. Maomé foi o primeiro imame. Para a maioria dos xiitas, o décimo segundo imame, Mohamed el-Muntazar, não morreu. Ele sairá um dia de seu retiro e o imame escondido (ghaib) instaurará a justiça divina.
  • 661: Golpe de estado dos omíadas. Moawiya exclui os imames descendentes de Ali da sucessão do profeta e torna o califado hereditário dentro de sua própria família.
  • 750: Fim da dinastia dos omíadas. Golpe de estado dos abatidas, que reinam até 1258, com os brilhantes califados de Mansur (754-775), Mahdi (775-785), Harun-el-Rachid (786-809) e Mamun(813-833).
  • 753: Fundação do califado de Córdoba, independente dos abácidas,  por Abd-el-Rahman III, um sobrevivente dos omíadas.
  • Século IX: Desenvolvimento dos Estados independentes do Magreb, no Marrocos e na Tunísia, com a conquista muçulmana da Sicília.
  • 969: A dinastia dos fatímidas, xiita, instala-se no Egito e na Síria.
  • 945-1055: Sucessão dos emires (prefeitos do palácio) Buyides, originários da Pérsia, em Bagdá. Poder dividido dos emires nas províncias da Ásia Central.
  • 1055: Os turcos seljúcidas, sunitas, tomam o poder em Bagdá e colocam o califa sob tutela. Eles se opõem aos fatímidas xiitas do Egito.
  • 1082: Os almorávidas e, mais tarde, os almôades conquistam o Maghreb e a Espanha muçulmana. Esses monges guerreiros são intransigentes e puristas.

Bizâncio

  • 395: Divisão do império. Constantinopla torna-se a capital do império do Oriente.
  • 457: O imperador do Oriente é o eleito de Deus e, conseqüentemente, do povo e do exército, e sagrado pela Igreja. Ele é o chefe da Igreja ortodoxa. Reza-se por ele e inclina-se diante dele.
  • 474-491: Reino de Zenão, que entra em conflito com o papa a respeito da discussão dos monofisistas. O patriarca Dióscuros de Alexandria do Egito e o monge Eutíquio são os pais dessa doutrina, afirmando a natureza unicamente divina de Cristo e rejeitando a Reencarnação. Seus discípulos assassinam o patriarca ortodoxo de Alexandria e o substituem por um dos seus. Zenão intervém para impor a união. O resultado é o cisma entre o Oriente e o Ocidente. No Egito, na Etiópia, na Armênia, na Síria constituem-se igrejas monofisistas, que existem até hoje.
  • 527-565: Reino de Justiniano, que realiza uma reconquista parcial do Ocidente.
  • 610-641: Reino de Heráclio e a guerra santa contra os sassânidas do Ira.
  • 629: O imperador toma o nome grego de basileus e Bizâncio torna-se Constantinopla.
  • 674-677: Primeiro cerco de Constantinopla pelos árabes. 717-867: Dinastia isauriana fundada pelo sírio Leão, e a dinastia amoriana fundada por Miguel II, o Gago, em 820. Os imperadores guerreiam contra os árabes e os búlgaros. 867-1057: A dinastia macedônica é instaurada por Basílio I. Reconquista contra os árabes (Mesopotâmia, Armênia, Síria). 1054: Ruptura definitiva entre as Igrejas do Oriente e do Ocidente. O grande cisma estabelece duas Igrejas cristãs separadas e hostis. Os cruzados tomam Constantinopla por duas vezes, em 1203 e em 1204. Não há uma atitude cristã única contra o perigo árabe.

 

 

Anúncios

One comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s