Uma pequena história do sonho de voar

Santos Dumont realizou um importante sonho ao ajudar com que as pessoas pudessem voar com a ajuda de meios engenhosos. Também é famoso o interesse de Leonardo da Vinci e seus projetos de engenhocas voadoras são realmente incríveis, mas a trajetória do desejo por ganhar os ares remonta a um passado ainda mais distante que o século XVI do gênio italiano.

iccarus-144669912D40BB55A80Mesmo no Ramayana, épico conto hindu que remonta à cerca de 500 aC, os semi-deuses Jatayu e Sampani tentaram voar com asas falsas até chegarem perto do sol, não obtendo sucesso e caindo de tamanha altitude. Essa situação desastrosa também foi vivida por Ícaro, na Mitologia Grega, que tentou sair da ilha de Creta voando graças a um par de asas de cera e penas.

Há referências menos mitológicas – embora não necessariamente comfirmáveis – de que também por volta de 500 aC Bladud, um rei britânico, tentou levantar voo a partir de um templo em Londres (então Trinovantum) e morreu porque a ousadia não funcionou, levando o monarca a sofrer uma queda fatal.

Na Andaluzia, Espanha, nos 800 anos da Era Cristã, Abbas ibn Firnas, inventor e escritor islâmico também tentou experimentar a sensação de voar. O mouro fez uso de um par de asas falsas e cobriu-se de penas para poder voar. Alegadas testemunhas teriam confirmado que o homem voador percorreu pelos ares uma boa distância até voltar ao ponto inicial da decolagem, porém ele reclamou bastante de dores nas costas e alegou que esse efeito decorreu do fato de ter esquecido de se equipar como uma cauda, assim como os pássaros.

Eilmer de Malmesbury, em 1125, teria prendido asas nas mãos e nos pés, conforme Guilherme de Malmesbury, historiador medieval. O inglês voador não teve lá muito sucesso e caiu ao tentar o feito, sofrendo lesões que fizeram com que ele mancasse pelo resto da vida. A falta da cauda também foi alegada pelo destemido monge de Malmesbury como causadora do fracasso de sua aventura aérea.

Na Turquia Hezârfen Ahmed Çelebi teria voado entre as cidades de Karaköy e Üsküdar planando com a ajuda do vento com sua asa montada com uma estrutura. Depois do feito o turco recebeu um pagamento e acabou sendo exilado por ser condiderado um homem perigoso – quem poderia confiar num sujeito que voava?

1024px-Otto_Lilienthal_gliding_experiment_ppmsca.02546
Otto Lilienthal

O alemão Otto Lilienthal é reconhecido como o “Pai do vôo planado” e realizou praticamente dois mil passeios e exibições através dos ventos entre 1891 e 1896, chegando a percorrer a distância de 350 metros e a subir além da altitude de seu ponto de decolagem. Também acabou vítima de sua paixão por voar, pois morreu em decorrência de uma queda de 17 metros de altura, tendo fraturado a espinha dorsal em 9 de agosto de 1896. Lilienthal foi também o primeiro homem a ser fotografado enquanto voava.

Os norte-americanos Wilbur e Orville Wright realizaram em 17 de dezembro de 1903 um histórico voo que foi reconhecido como primeiro de um aparelho motorizado controlado, mas esse destaque não é um fato totalmente admitido, pois Santos Dumont, em 19 de julho de 1906, realizou com o seu 14-Bis, em Paris, a primeira decolagem de voo controlado sem necessidade de catapultagem ou plataforma. Tanto o experimento dos Irmãos Wright quanto o de Santos Dumont foram devidamente registrados e testemunhados (requisitos importantes para obter reconhecimento do pioneirismo).

Anúncios

One comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s